advert 1

Estrutura

Área de Concentração

 

 

Sociedade, Cultura e Política

 

 

O PPGHIS-UnB estrutura-se em torno da área de concentração (AC) Sociedade, cultura e política, abrigando quatro linhas de pesquisa (LPs), cada uma especializada em temas relacionados com, pelo menos, dois desses três grandes domínios do mundo histórico.

 

1. LP História Cultural, Memórias e Identidades 

2. LP História Social e suas múltiplas Formas 

3. LP Ideias, Historiografia e Teoria

4. LP Política, Instituições e Relações de Poder

 

 

Linhas de Pesquisa 

 

 

LP História Cultural, Memórias e Identidades

Esta linha de pesquisa privilegia o estudo das intercessões entre história, sociedade e cultura – dimensões e construções que informam a experiência histórica configuradora dos sujeitos, individual e coletivamente, posto que inscrita na cultura, ancorada em um lugar social e em um espaço temporal, atravessada por relações de poder e traduzida nas múltiplas evidências de vida expressas em identidades, tradições, mitos, sensibilidades e representações ou nas artes dos agentes históricos. Considera-se a pesquisa e a escrita da história orientada por e sob tais eixos exige pensar a dimensão cultural da sociedade e da política, ou seja, pensar a experiência histórica como vivência refletida, inventada/reinventada e compartilhada, embora não necessariamente de maneira explícita ou completamente articulada. Isto inclui pensar a política para além de seu sentido restrito, ampliando seu espectro para o de experiência tecida em meio ao simbólico e incorporando expectativas, entendimentos e significados que a sociedade atribui às ações dos agentes históricos.

Na perspectiva adotada, o conceito de cultura política apresenta-se como pertinente, pois permite romper com a lógica reducionista dominante/dominado, ao politizar as vivências e introduzir novos atores como participantes da política, privilegiando suas percepções, suas lógicas, suas vivências, suas sensibilidades. Há, portanto, o entendimento de que o acesso à cultura política não resulta apenas da observação dos escritos mais articulados, mas também do senso comum e da reconstrução de ações que constituem um acontecimento. No compartilhamento das representações e das temporalidades cabe considerar a dimensão da memória, fenômeno construído social e individualmente, elemento constituinte das identidades sociais e culturais. Além da dominação e do confronto ou da sujeição, interessam tentativas e mecanismos de negociação e de legitimação, as disputas pela hegemonia no imaginário social por diferentes projetos políticos e/ou culturais. Os projetos contemplam em especial sujeitos, temas e objetos inseridos nas dinâmicas das articulações entre sociedade, cultura e política, na produção da memória, na construção das identidades sociais e culturais e nos percursos da cidadania nas sociedades ocidentais. Dentre aqueles, destacam-se: identidade e diferença; dinâmicas do público e privado; políticas de memória e políticas simbólicas; historiografia e poder; comunidades e nação; movimentos políticos e sociais; direitos humanos e cidadania; territorialidades e fronteiras, ensino de história e imagens.

 

LP História Social e suas múltiplas Formas

As investigações reunidas no âmbito desta linha de pesquisa privilegiam as variadas possibilidades de desenvolver estudos inspirados na história social. Nesse sentido, a linha explora abordagens, metodologias e temas diversos voltados para o interesse comum de estudar práticas e experiências sociais coletivas e individuais. Dedica especial atenção aos modos e estratégias por meio das quais sujeitos históricos politizavam seu cotidiano, informados por racionalidades, práticas culturais e econômicas próprias, bem como enfrenta debates clássicos sobre agência histórica em relação, ou oposição, a estudos fundamentados em determinações contextuais e estruturais. Ao privilegiar trabalhos centrados na ação humana, em escalas de análise macro ou micro, enfatiza abordagens de conflitos sociais definidos por viés de classe, gênero, etnia ou raça, bem como as relações pautadas por questões ambientais. Segue a tradição empirista da história social com investigações centradas em fontes primárias, abrangendo uma gama de suportes múltipla: de textos literários a documentos epistolares, da imprensa a anais parlamentares, passando por leis, processos jurídicos, inventários, cartografia, memórias, documentos cartoriais, entre tantos outros. Vale, finalmente, salientar que a ênfase na pesquisa documental é amparada por e ampara reflexões teóricas e metodológicas próprias da história social.

 

LP Ideias, Historiografia e Teoria

Esta linha de pesquisa compreende investigadores que se dedicam ao estudo de fenômenos associados à produção, circulação e recepção de ideias, bem como das práticas, estruturas e espaços sociais associados às mesmas. A LP abriga pesquisas relacionadas às mais diferentes épocas e sociedades, favorecendo enfoques transculturais e interdisciplinares.

No vasto campo dos fenômenos e práticas intelectuais, a LP privilegia decisivamente aqueles de natureza historiográfica. "Historiografia" é aqui entendida não só como o conjunto das ideias, interpretações e textos produzido pelos historiadores enquanto grupo intelectual particular, mas também, em sentido amplo, como todo e qualquer produto intelectual em que se manifestem articulações interpretativas entre passado, presente e futuro. O termo aponta, pois, para variados modos de conexão entre "campos de experiências" e "horizontes de expectativas" e para o âmbito abrangente da historicidade, um domínio que sabidamente não é exclusivo da disciplina histórica, sendo por esta compartilhado com as artes, a literatura, a filosofia e as demais ciências humanas. Nesse sentido, são favorecidas pesquisas referentes à história das diferentes tradições historiográficas, entendidas, mais uma vez, em sentido amplo.
Além da história da historiografia, a LP também abriga projetos voltados para a reflexão teórica e prática acerca da pesquisa, da escrita e do aprendizado históricos. Tais projetos se realizam em diálogo com teorias e conceitos provenientes de áreas tais como: a teoria literária, a filosofia da ciência, a fenomenologia, a filosofia da educação, as hermenêuticas, e visam à compreensão de questões ligadas à natureza, às formas e às funções do conhecimento histórico. Por essa razão, há lugar de destaque nesta LP para investigações relacionadas aos seguintes campos: epistemologia da história, metodologia da pesquisa histórica, retórica e poética da historiografia, didática histórica e metodologia do ensino de história.

 

LP Política, Instituições e Relações de Poder

A LP abriga pesquisadores que se dedicam ao estudo do poder, sua construção e exercício. A concepção de História Política desta linha reconhece no Estado e nas instituições um espaço privilegiado para o exercício do poder, sem descurar a importância de outras instâncias de poder que interagem com as formas estatais, tanto pela via da cooperação como pela oposição e resistência. Alinha-se também à Nova História Política, que estuda o poder como campo de representação social e exercício de dominação/controle por diferentes tipos de autoridades (estatais e da sociedade civil), em seus diferentes níveis, desde aquele das relações internacionais aos micropoderes da vida cotidiana. Os projetos que integram a LP refletem, ainda, o debate entre a História Política e a História do Político, contemplando abordagens que privilegiam a Política no âmbito das instituições, bem como aquelas que se centram mais no Político, ou seja, nas dinâmicas sociais que permitem interpretar a ação política, e nos modelos, formas e pensamentos que constituem seus referenciais. A temporalidade estende-se das sociedades pré-modernas às contemporâneas, o que obriga a considerar diferentes concepções de Política que abarquem não somente esses diversos períodos da História, mas que, dentro de cada um desses períodos, expliquem a vida política de forma plural e complexa. Neste campo, os projetos procuram definir os domínios do político, assim como as formas da ação política. Em termos da abrangência geográfica, a LP compreende o espaço quer numa perspectiva global, especialmente no campo da história da política externa e das relações internacionais, quer dentro dos limites do estado-nação, ou ainda numa concepção cujas fronteiras eram definidas por lógicas políticas próprias das dinastias e linhagens. O direito, a justiça, a guerra, a paz, a religião são exemplos de objetos de estudo importantes na medida em que permitem entender experiências históricas resultantes do exercício do poder político.